Casos de microcefalia têm queda em PE

Em comparação com o período crítico da doença no Estado, em 2015, a redução de confirmações da malformação foi de 93%. Há quatro anos, foram 1.151 casos notificados e 272 confirmados
Foto: Alfeu Tavares / Aquivo Folha
O número de bebês nascidos com a Síndrome Congênita do Zika (SCZ) no Estado diminuiu consideravelmente desde a explosão da epidemia do zika em 2015. Há quatro anos, foram 1.151 casos notificados e 272 confirmados. No ano passado, esse número caiu para 195 casos suspeitos e 16 confirmados. Na comparação com o período crítico, as quedas dos casos de microcefalia e outras alterações no sistema nervoso dos bebês foram de 83% nas notificações e de 94%, nas confirmações. Quando se analisa 2017 e 2018, houve queda de 0,5% no registro da suspeita de SCZ, mas uma diminuição de 27,2% nas crianças confirmadas com a síndrome.

Os dados foram comemorados pelo governo estadual que reforçou, ainda, a necessidade de vigilância constante dos municípios no controle do Aedes aegypti, vetor do zika, dengue e chikungunya. “Comparando 2018 com 2015 e 2016 houve uma redução grande de confirmações. A gente queria que não houvesse novos casos, mas vemos que ainda temos mosquitos, que houve índice de circulação do zika, inclusive com aumento de notificações, e existem grávidas. Por isso a importância de não baixar a guarda”, comentou o diretor geral de Controle de Doenças Transmissíveis da Secretaria Estadual de Saúde (SES), George Dimech.

Informações da Folha PE