Cresce em 50% transplantes de rim em Pernambuco

Entre janeiro e fevereiro de 2018, Pernambuco conseguiu efetivar 247 transplantes de órgãos e tecidos, 1 a mais do que o mesmo período de 2017. O destaque fica por conta do aumento de 50% nos procedimentos de rim: em 2017 foram 46 e em 2018, 69. Esse é o órgão com a maior fila de espera, contando, atualmente, com 768 pacientes.

No caso de coração, houve uma diminuição de 40% nos procedimentos. Em 2017, até fevereiro, foram realizados 10 transplantes do órgão. Já neste ano, foram 6. “Finalizamos 2017 com aumento expressivo no número de transplantes de coração, o que deixou o Estado na segunda colocação do Brasil e na primeira do Norte e Nordeste. Temos equipes de excelência para esse tipo de procedimento e capacidade para ampliar essas cirurgias, mas, para isso, precisamos das famílias responsáveis por autorizar a doação. Para que a família se sinta confortável e segura em exercer o direito da doação, é imprescindível que os profissionais de saúde das unidades hospitalares conheçam cada vez mais como funciona o processo de doação e transplante e acolham esse público”, afirma a coordenadora da Central de Transplantes de Pernambuco (CT-PE), Noemy Gomes.

No Brasil, a autorização para doar órgão ou tecido é dada por um parente de até segundo grau do doador. Nos dois primeiros meses do ano, 43 entrevistas com familiares foram realizadas. Dessas, 22 autorizaram a doação e 21 recusaram, ou seja, 48,8% dos casos foram impossibilitados da doação. “O Brasil vem, constantemente, qualificando os processos para doação e transplantes de órgão, para dar mais segurança para os doadores e para os pacientes em fila de espera. A população precisa saber que a doação de órgãos só ocorre quando há a efetiva morte do doador, que passa por uma série de avaliações e exames. A família receberá o corpo do seu ente querido íntegro para realizar todas as suas despedidas e saberá que está ajudando uma ou mais pessoas que aguardavam um órgão ou tecido para ter mais qualidade de vida”, frisa Noemy.

A coordenadora da CT-PE também ressalta a importância de outras áreas, além da saúde, para trazer o tema da doação de órgãos para discussão. Um exemplo é a peça teatral “Começar outra vez”, que será apresentada nesta sexta (23.03), às 20h, no Teatro de Santa Isabel, com 100% da renda revertida para a Associação Pernambucana de Apoio aos Doentes de Fígado (Apaf) e para a Casa de Apoio do Transplante de Medula Óssea. Os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). Além da doação de órgãos, o espetáculo lembra sobre o diagnóstico precoce da hepatite C, doença tratável que, sem a assistência devida, pode levar o paciente a fila de espera por um fígado.

BALANÇO DE 2018 – Além dos procedimentos de rim e coração, neste ano também foram feitos 16 transplantes de fígado (diminuição de 10% - 18 em 2017), 122 de córnea (queda de 10% - 136 em 2017) e 34 de medula óssea (mesmo quantitativo de 2017). “O trabalho de conscientização da população e de mobilização dos profissionais de saúde para doações e transplantes de órgãos e tecidos é constante e diário. Estamos focando nas capacitações dos profissionais de saúde para otimizar tanto o trabalho de acolhimento das famílias quanto nas ações de manutenção do potencial doador e de todas as etapas para concretizar o transplante”, reforça Noemy Gomes.

Atualmente, a CT-PE está realizando, até o dia 23.03, capacitação com médicos das principais unidades de saúde do Estado sobre os conceitos de morte encefálica. Uma nova capacitação também já está agendada para abril, em parceria com o Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe). “Quanto mais parceiros e profissionais de saúde capacitados, maiores as chances de continuarmos avançando no número de transplantes do Estado e, consequentemente, na diminuição da fila de espera”, reforça Noemy.

FILA DE ESPERA – Atualmente, 966 pessoas estão em fila de espera por um órgão ou tecido em Pernambuco. O maior quantitativo aguarda por um rim (768), seguido de fígado (93), córnea (62), medula óssea (25), coração (16) e rim/pâncreas (2).

RANKING NACIONAL – De acordo com o balanço de 2017 da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), divulgado neste mês de março, Pernambuco ficou em primeiro lugar do Norte e Nordeste no número de procedimentos de coração, rim, pâncreas, córnea e medula óssea, que, juntos, totalizam mais de 1,6 mil pessoas transplantadas no ano passado. O Estado ainda figura na segunda colocação do Brasil no caso do coração.

TEATRO – Com linguagem leve, a peça "Começar outra vez" apresenta a história do casal Adão (Robson Vellado) e Eva (Kely Nascimento), que, mesmo diante das personalidades diferentes e dos problemas do relacionamento, conseguem se manter juntos por meio da doação e do amor. "Mesmo com brigas, confusões e terapias, eles descobrem que o ato de doar pode solucionar os problemas da relação. Doação de amor, de paciência, de abrir mão pelo outro. E que dar uma chance ao próximo e começar outra vez são ações possíveis. Por meio dessa história toda, queremos reforçar com o público a importância de ser doador de órgãos e tecidos", afirma a atriz Kely Nascimento, que, ao final da encenação, interpreta um texto poético sobre seus dias ao lado de um transplantado, o ator Northon Nascimento, que recebeu um coração em 2003 e faleceu de hepatite C em 2007.

O espetáculo ainda aborda a conscientização e importância do diagnóstico precoce da hepatite C, doença tratável que, sem a assistência devida, pode levar o paciente a fila de espera por um fígado. No Estado, a peça “Começar outra vez” tem o apoio do Governo de Pernambuco, por meio da Central de Transplantes (CT-PE) e das secretarias estaduais de Saúde, Cultura e Turismo, Esporte e Lazer, além da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), universidades, hospitais e instituições ligadas à doação de órgãos e tecidos e apoio aos pacientes.


Secretaria Estadual de Saúde - PE
Superintendência de Comunicação