A grafia e o gênero das siglas

As siglas são palavras construídas a partir da junção das iniciais de uma expressão que nomeia algo. Assim, o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores vira, simplesmente, IPVA; o Código de Endereçamento Postal vira CEP; a Lesão por Esforço Repetitivo, LER.

Algo interessante de perceber é que algumas siglas, aos poucos, acabam deixando de ser percebidas como siglas pelos usuários da língua. A palavra "laser", por exemplo, é uma sigla inglesa (de Light Amplification by Simulated Emission of Radiation), mas não é percebida como tal. É importante não confundi-la com "lazer"...

Uma dúvida comum é se a grafia da sigla deve ser feita só com letras maiúsculas. Embora não haja regras específicas para isso, o que alguns gramáticos recomendam é observar se a sigla é tomada como palavra (acrônimo) ou se tem cada letra pronunciada isoladamente. Quando pronunciamos como uma palavra - com quatro ou mais letras -, apenas a primeira letra deve ser maiúscula. Assim, escreve-se "Compesa" (e não "COMPESA"), "Asces" (e não "ASCES"), Unifavip (e não "UNIFAVIP"). Escrevemos, entretanto, "ONU" (com letras maiúsculas) porque, nesse caso, existem apenas três letras na sigla.

Quando o processo de siglação não permite a formação de um acrônimo (unidade que se pronuncia como uma palavra), então todas as letras ficam maiúsculas: CPF, IPVA, ABL, CEP e por aí vai.

Quanto ao gênero, ou seja, ao uso da sigla como palavra masculina ou feminina, deve-se observar o primeiro nome que entrou na formação. Assim, devemos dizer "O IPVA" porque a primeira palavra que entra no processo de siglação é "imposto" ("Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores"). Da mesma forma, usamos "O Detran" (Departamento Estadual de Trânsito) e "A Funai" (Fundação Nacional do Índio).

Um último caso curioso é o da palavra "aids", sigla para "Aquired Inmodificiency Sindrome". Em espanhol e em português, a sigla é "Sida" (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida"). No Brasil, a sigla "Sida" não pegou, e a usamos na forma inglesa, ainda que a pronunciemos em português. Coisas que só os brasileiros explicam. Ou não...

Até a próxima.