Boneco não. Colecionável! - por Menelau Júnior

 

Um fato inusitado "viralizou" nas redes sociais esta semana: o diálogo entre a mãe de um menino de 7 anos e uma universitária de 28 que coleciona estátuas da Marvel. Em questão, uma diferença de significado: o que, para a mãe da criança, era um "boneco", para a universitária é um "colecionável".

O diálogo se deu por meio do WhatsApp. Após visitar uma amiga cuja sobrinha é a universitária, a mãe reclamou porque a moça não permitiu que o menino de 7 anos brincasse com uma peça do Gavião Arqueiro, personagem dos Vingadores da Marvel. A universitária tentou justificar que aquilo não era um "brinquedo" (a peça custa em torno de 300 reais) de criança, muito menos um "boneco"; era um "colecionável". A mãe do menino, injuriada, chamou a moça de egoísta e a desafiou: da próxima vez que fosse visitar a amiga, o filho brincaria, sim, com o boneco.

A mãe, a julgar pelo diálogo reproduzido nas redes sociais, não tem a mínima noção do que é um colecionável, a que chama de "brinquedo". Chegou a escrever: "'Não vou ver meu filho chorando por causa de adulto imbecil que tem brinquedo de criança e fica sendo egoísta". Além disso, a peça estava no quarto da jovem, ou seja, um ambiente privado da casa.

O episódio mostra o valor que as palavras têm na nossa língua (além da dificuldade de uma mãe de mostrar regras e limites ao próprio filho). Colecionáveis são peças caras, cheias de detalhes e, não raro, numeradas. A empresa brasileira mais famosa do ramo é a Iron Studios - e o colecionável em questão, com proporção de 1/10 (ou seja, o tamanho original do personagem dividido por 10), é uma estátua encontrada por 300 reais em média. A mais famosa empresa de colecionáveis do mundo é a Hot Toys, com sede em Taiwan. Suas peças, normalmente em tamanho 1/6 (32 cm aproximadamente), são de uma perfeição impressionante, com vários pontos de articulação, roupas idênticas às dos filmes e até pintura automotiva (no caso dos colecionáveis do Homem de Ferro). Algumas podem custar, no Brasil, valores perto de 5 mil reais. Ou seja, colecionáveis não são "bonecos" - muito menos "brinquedo de criança".

Para quem ama cinema ou heróis, as peças da Iron Studios ou da Hot Toys são aquele hobbie caro mas encantador. Não há mesmo criança que resista. Nem adultos. Os colecionáveis são obras-primas apenas para serem apreciadas, não mexidas. Quem quer brinquedo ou "boneco", que procure as lojas infantis nos shopping centers. E quem tem seus filhos que aprenda a dar limites - principalmente na casa dos outros.

Até a próxima semana.