Sessão de semelhanças - por Menelau Júnior

 

Existem palavras na nossa língua cujo significado pode trair os desatentos. Em alguns casos, não é apenas o significado que é deixado às escuras, mas também a grafia da palavra. Normalmente isso ocorre com os parônimos e homônimos.

Vamos, inicialmente, esclarecer a diferença: parônimos são palavras parecidas, mas que não possuem nem a grafia nem o som iguais. Já as homônimas apresentam algum tipo de semelhança: gráfica ou fônica. Assim, quando ficamos em dúvida se devemos grafar "sessão" ou "seção", estamos diante de homônimas. Quando a dúvida é entre "mandado" e "mandato", estamos diante de parônimas.

Observemos o seguinte texto: "A Justiça expediu, esta semana, mandado de segurança...". Não há problema: "mandado" é uma ordem judicial. No caso, o mandado de segurança havia sido expedido pelo Meritíssimo Juiz Adelmo Barbosa, determinando o retorno de funcionários demitidos da prefeitura.

O caso de "mandato" é bem diferente: em época de campanha política, ouve-se muito falar em "mandato". É todo o mundo dizendo que vai colocar o mandato nas mãos do povo, que vai honrar o mandato, que o mandato será exercido para o bem da população. "Mandato" é o tempo que alguém exerce um determinado cargo. E quando o mandato acaba, quase todos querem repetir a dose.

E já que falamos de "seção" no início desta coluna, não custa nada lembrar: "Seção" é o mesmo que departamento, divisão. Um jornal, por exemplo, tem a "seção policial". Um supermercado tem a "seção de limpeza".

"Sessão" é um intervalo de tempo, uma reunião. Quem não gosta de uma "sessão de cinema"? Há aqueles que frequentam "sessões espíritas". E os vereadores, às vezes, se reúnem em "sessões extras".

Há de se lembrar ainda o caso de "cessão" (com C no início), que é o ato de ceder. O MST, por exemplo, começou exigindo a cessão de terras, o que sempre foi justo. Hoje quer a cessão da moralidade.

Vale ainda lembrar o curioso caso de "espiar/ expiar". O jornalista Pedro Bial convida o Brasil inteiro para dar uma "espiadinha básica" nos confinados do Reality Show Big Brother. Quem "espia", com S, observa, espiona. É bem diferente de "expiar", com X, que significa "tornar-se puro de crimes ou faltas". O Houaiss traz o seguinte exemplo: "passa horas rezando, expiando-se de pequenas faltas". Quem tem "pecados a expiar" tem pecados a pagar.

Portanto, é preciso atenção na hora de escrever. Palavras homônimas e parônimas podem complicar a vida de quem redige, mas um pouquinho de cuidado e um bom dicionário por perto ajudam a resolver o problema. Um forte abraço.