Lançamentos em DVD: abril de 2017 - por Allyson Rodrigues

 

LA LA LAND – CANTANDO AS ESTAÇÕES 2017 (2h 08min)

Direção: Damien Chazelle

Elenco: Ryan Gosling, Emma Stone, John Legend mais

Gêneros: Comédia Musical, Romance

Nacionalidade: EUA

Ao chegar a Los Angeles, o pianista de jazz Sebastian (Ryan Gosling) conhece a atriz iniciante Mia (Emma Stone) e os dois se apaixonam perdidamente. Em busca de oportunidades para suas carreiras na competitiva cidade, os jovens tentam fazer o relacionamento amoroso dar certo enquanto perseguem fama e sucesso.

Em tempos de guerra e cinismo La La Land surge como um oásis no meio do deserto com uma história de otimismo e uma energia contagiante. Com um clima leve, o diretor Damien Chazelle (de Whiplash - Em Busca da Perfeição) homenageia os musicais antigos com uma série de referencias. O carisma da dupla central é incrível, assim como as musicas, que grudam em nossas mentes após a sessão. Enfim, é um filme pra ver e rever sem ter vergonha, é repleto de paixão e emoção, porém é controlado e consciente. Perfeito. NOTA:10

MANCHESTER À BEIRA MAR 2017 (2h 18min)

Direção: Kenneth Lonergan

Elenco: Casey Affleck, Michelle Williams, Kyle Chandler mais

Gênero Drama

Nacionalidade EUA

Lee Chandler (Casey Affleck) é forçado a retornar para sua cidade natal com o objetivo de tomar conta de seu sobrinho adolescente após o pai (Kyle Chandler) do rapaz, seu irmão, falecer precocemente. Este retorno ficará ainda mais complicado porque Lee precisará enfrentar as razões que o fizeram ir embora e deixar sua família para trás, anos antes.

A câmera que acompanha o personagem principal capta com perfeição o sentimento de abatimento vivido por Lee Chandler. Ele tem um passado que não consegue deixar pra trás que é revelado aos poucos pela direção segura de Kenneth Lonergan (de Conte Comigo, 2000). O sentimento de melancolia e desesperança segue por quase todo o longa, que tem em Casey Affleck a força necessária para mover a produção, que embora tenha um ritmo lento, termina de forma otimista. NOTA:8,0

ESTRELAS ALÉM DO TEMPO 2017 (2h 06min)

Direção: Theodore Melfi

Elenco: Taraji P. Henson, Octavia Spencer, Janelle Monáe mais

Gêneros: Drama, Biografia

Nacionalidade: EUA

1961. Em plena Guerra Fria, Estados Unidos e União Soviética disputam a supremacia na corrida espacial ao mesmo tempo em que a sociedade norte-americana lida com uma profunda cisão racial, entre brancos e negros. Tal situação é refletida também na NASA, onde um grupo de funcionárias negras é obrigada a trabalhar a parte. É lá que estão Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monáe), grandes amigas que, além de provar sua competência dia após dia, precisam lidar com o preconceito arraigado para que consigam ascender na hierarquia da NASA.

É bacana ver pequenas histórias, mas relevantes, como essas, ganhar luz com uma ótima produção que concorreu ao Oscar de melhor filme neste ano. É aquele filme quadradinho e catedrático como Hollywood adora, tem ótimas atuações e ganha pontos por causa da história incrível dessas mulheres. NOTA:8,0

A LUZ ENTRE OCEANOS 2016 (2h 13min)

Direção: Derek Cianfrance

Elenco: Michael Fassbender, Alicia Vikander, Rachel Weisz

Gêneros Drama, Romance

Nacionalidades: EUA, Reino Unido, Nova Zelândia

Tom Sherbourne (Michael Fassbender) é um veterano da guerra contratado para trabalhar em um farol, que orienta os navios exatamente na divisão entre os oceanos Pacífico e Índico. Trata-se de uma vida solitária, já que não há outras casas na ilha. Logo ao chegar Tom é apresentado a isabel Graysmark (Alicia Vikander), com quem logo se casa. O jovem casal rapidamente tenta engravidar, mas Isabel enfrenta problemas e perde dois bebês - o que, inevitavelmente, provoca traumas. Até que, um dia, surge na ilha em que vivem, um barco à deriva, contendo o corpo de um homem e um bebê.

A Luz Entre Oceanos trava um incrível debate entre fazer a coisa certa ou carregar a culpa de um erro por toda uma vida. É de um ritmo melancólico e depressivo, traços que diretor Derek Cianfrance entende bem, como pode ser visto em seu melhor filme: Namorados para Sempre (2010). Aqui o diretor vai além no drama e conta com um elenco talentoso, daqueles em que apenas um olhar vale mais do que qualquer palavra. NOTA: 6,5

A QUALQUER CUSTO 2017 (1h 42min)

Direção: David Mackenzie

Elenco: Chris Pine, Ben Foster, Jeff Bridges

Gêneros: Suspense, Drama

Nacionalidade: EUA

Interior do Texas, Estados Unidos. Toby (Chris Pine) e Tanner (Ben Foster) são irmãos que, pressionados pela proximidade da hipoteca da fazenda da família, resolvem assaltar bancos para obter a quantia necessária ao pagamento. Com um detalhe: eles apenas roubam agências do próprio banco que está cobrando a hipoteca. Só que, no caminho, eles precisam lidar com um delegado veterano (Jeff Bridges), que está prestes a se aposentar.

O diretor britânico, David Mackenzie, faz uma analise de um Texas empobrecido e suas particularidades, bem distante das metrópoles mais conhecidas como Nova Iorque ou Los Angeles. É um típico faroeste, só que passado nos dias de hoje e com impacto das primeiras produções realizadas por Quentin Tarantino e Robert Rodriguez. Só o trabalho do veterano Jeff Bridges torna a produção obrigatória. NOTA:8,5

PASSAGEIROS 2017 (1h 57min)

Direção: Morten Tyldum

Elenco: Jennifer Lawrence, Chris Pratt, Michael Sheen

Gêneros: Ficção científica, Romance, Ação

Nacionalidade: EUA

Durante uma viagem de rotina no espaço, dois passageiros são despertados 90 anos antes do tempo programado, por causa de um mal funcionamento de suas cabines. Sozinhos, Jim (Chris Pratt) e Aurora (Jennifer Lawrence) começam a estreitar o seu relacionamento. Entretanto, a paz é ameaçada quando eles descobrem que a nave está correndo um sério risco e que eles são os únicos capazes de salvar os mais de cinco mil colegas em sono profundo.

Após chamar atenção no eficiente O Jogo da Imitação (2014), o diretor Morten Tyldum tem sua primeira grande chance em Hollywood. Apesar do esmero da produção, a trama agridoce destoa um pouco do gênero ficção cientifica, prejudicando todo o resultado. Não que o filme seja um desastre total, mas um pouco de suspense ajudaria no resultado final. NOTA: 6,5