Lançamentos em DVD: novembro de 2016 - por Allyson Rodrigues

 

JOGO DO DINHEIRO 2016 (1h 39min)

Direção: Jodie Foster

Elenco: George Clooney, Julia Roberts, Jack O'Connell mais

Gênero Suspense

Nacionalidade Eua

Lee Gates (George Clooney) é o apresentador do programa de TV que dá dicas sobre o mercado financeiro. Um dia, um desconhecido (Jack O'Connell) invade o programa  e com um revólver obriga Lee a vestir um colete repleto de explosivos. Assim acontece e, a partir de então, tem início uma investigação incessante para descobrir quem é o sequestrador e algum meio de salvar todos os que permanecem no estúdio.

Longe da direção desde Um Novo Despertar (longa de 2011 com mel Gibson )Jodie Foster volta em grande estilo neste suspense com reviravoltas bacanas e um elenco estrelar com ótimas atuações de George Clooney e Julia Roberts. NOTA: 8,0

VENTOS DE AGOSTO 2014 (1h 17min)

Direção: Gabriel Mascaro

Elenco: Dandara de Morais, Geová Manoel dos Santos, Gabriel Mascaro

Gênero Drama

Nacionalidade Brasil

Agosto. Um pesquisador de som de ventos alísios desembarca em uma pacata vila de pescadores e abala a rotina de Shirley (Dandara de Morais), que trabalha em uma fazenda, e Jeison (Geová Manoel dos Santos), praticante da pesca submarina. A maré está alta, os ventos fortes e a vila nunca mais será a mesma.

O pernambucano Gabriel Mascaro entrega uma produção com variações de tom e narrativa. O diretor flerta com temas como amor, morte e pobreza sem tirar conclusões e nem se aprofundar no assunto, deixando o debate para o espectador. As imagens captadas do pequeno povoado são belíssimas, um retrato perfeito de um pedaço do Brasil tão próximo de nós, mas ao mesmo tempo tão desconhecido. NOTA: 6,5

MAIS FORTE QUE O MUNDO – A HISTÓRIA DE JOSÉ ALDO 2016 (1h 47min)

Direção: Afonso Poyart

Elenco: José Loreto, Cleo Pires, Jackson Antunes mais

Gêneros Esporte, Biografia, Drama

Nacionalidade Brasil

Nascido e criado em Manaus, José Aldo (José Loreto) precisa lidar com a truculência do pai e a falta de perspectiva de onde vive. Enfrentando constantemente seus demônios internos, Aldo encontra na luta sua válvula de escape. Acreditando em seu futuro como lutador, ele aceita se mudar para o Rio de Janeiro e precisando ralar um bocado para se manter, Aldo enfim consegue um voto de confiança do treinador Dedé Pederneiras (Milhem Cortaz), iniciando assim sua carreira no mundo do MMA.

Filmes desse tipo facilmente rendem um melodrama barato com muita choradeira. Mas o diretor Afonso Poyart (que já havia chamado atenção em 2 Coelhos) constrói um drama sólido e com os pés no chão, apostando no tom realista, um elenco incrivelmente afinado e lutas de tirar o folego. Programa obrigatório. NOTA: 8,0

A ERA DO GELO – O BIG BANG 2016 (1h 34min)

Direção: Mike Thurmeier, Galen T. Chu

Elenco: Diogo Vilela, Tadeu Mello, Márcio Garcia

Gêneros: Animação, Família

Nacionalidade: Eua

Depois que o esquilo Scrat, involuntariamente, provoca um acidente espacial em sua incansável perseguição pela noz, um enorme meteoro entra em rota de colisão com a Terra, ameaçando o lar de Manny, Diego, Sid e cia. Sem saber o que fazer para reverter a situação, eles terão que confiar em Buck, a elétrica doninha caolha do terceiro filme – único do grupo que realmente tem um plano para evitar o trágico fim de todos.

A franquia a muito tempo perdeu o folego entregando filmes com poucas variações em suas formulas. Mas a marca ‘A Era do Gelo’ continua forte, atraindo a criançada ao cinema, mesmo que o resultado final não faça jus ao seu sucesso. NOTA: 5,0

ÁGUAS RASAS 2016 (1h 27min)

Direção: Jaume Collet-Serra

Elenco: Blake Lively, Sedona Legge, Óscar Jaenada

Gêneros: Suspense, Terror

Nacionalidade: Eua

Nancy (Blake Lively) é uma jovem médica que está tendo de lidar com a recente perda da mãe. Seguindo uma dica sua, ela vai surfar em uma paradisíaca praia isolada, onde acaba sendo atacada por um enorme tubarão. Desesperada e ferida, ela consegue se proteger temporariamente em um recife de corais, mas precisa encontrar logo uma maneira de sair da água.

Águas Rasas é daqueles filmes que exige que o espectador embarque na ideia da trama. Blake Lively segura as pontas quase todo tempo sozinha numa atuação convincente. É uma aventura ligeira (apenas 87 minutos), não ofende a inteligência do espectador e tem bons momentos. NOTA: 7,5