Funcionários do Grupo Rabelo em Caruaru decidem entrar com ação na Justiça do Trabalho

A batalha entre funcionários e o Grupo Rabelo em Caruaru está longe de terminar. Em reunião com o Departamento Jurídico e Diretores do SINDECC, cerca de 31 funcionários decidiram entrar com ação judicial para receber salários atrasados, FGTS não depositados e a rescisão de contrato. O Grupo Rabelo fechou as portas de quatro lojas em Caruaru no dia 12 de maio, deixando um grupo de mulheres e homens em situação delicada, tendo em vista que estas pessoas têm famílias e contas a pagar. O Departamento Jurídico do SINDECC nas pessoas da Advogada Simone Sá e de sua Assessora Laysa Oliveira, estão dando todo o suporte necessário para que estes trabalhadores tenham seus prejuízos minimizados, recebendo todos os valores em atraso.     

Entenda o caso:
 
No dia 12 de abril do corrente ano, os funcionários do Grupo Rabelo cruzaram os braços por falta de pagamento de salário. Esse fato foi histórico e teve bastante repercussão na cidade de Caruaru. A partir desta ação dos trabalhadores, o SINDECC encaminhou a denúncia para a Gerência do Trabalho e Emprego de Caruaru, que diante deste fato, notificou as quatro empresas do Grupo Rabelo, estabelecidas na Rua Vigário Freire, 15 de Novembro e no Caruaru Shopping.
 
Na noite da sexta-feira, 12 de maio, os funcionários foram surpreendidos e sem nenhuma comunicação prévia, as lojas foram fechadas. O Grupo Rabelo foi e está sendo desleal com essas pessoas que sempre se esforçaram para cumprir metas, como também, cumprir o seu contrato de trabalho, coisa que o Grupo Rabelo não o fez.
 
Dois dias depois do acontecido, na segunda-feira (15/05), a Direção e o Departamento Jurídico do SINDECC reuniram-se com esses funcionários para ouvi-los e esclarecê-los sobre o que se deveria fazer a partir dessa ação do Grupo Rabelo. O Departamento Jurídico do SINDECC ficou responsável de intermediar junto ao Grupo, para que fosse paga toda e qualquer quantia aos funcionários. Mais uma vez, este Grupo não cumpriu com seus deveres, e não pagou nenhum centavo, direito adquirido por cada funcionário, negado pela empresa.
 
O Sindicato dos Comerciários de Caruaru vai até as últimas consequências neste caso e não se cansará até que cada funcionário receba o que lhe é seu por direito. Repudiamos está postura adotada pelo o Grupo Rabelo, que em nenhum momento, pensou de forma humanitária. Por isso, reafirmamos que esta batalha está longe de ter um fim, porém, esses funcionários não estão só, têm um sindicato ao seu lado.